Ícone de nuvem C Campinas Ícone de calendário Ícone de hora
Search
Close this search box.

Transtornos alimentares: bomba-relógio para o coração

Redação Graciolimaio 27, 2024

transtorno alimentar

Foto: Image by lookstudio on FreepikOs problemas vão desde diminuição da frequência cardíaca até insuficiência cardíaca e morte cardíaca súbita. Transtornos alimentares podem afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, mas meninas adolescentes e mulheres na faixa dos 20 anos têm maior tendência de desenvolvê-los

Embora muita gente não saiba, o distúrbio alimentar pode matar – e algumas dessas mortes são causadas por complicações cardiovasculares. O alerta é feito pela médica nutróloga  Dra. Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

 “A relação entre transtorno alimentar e saúde do coração é estudada há anos. O coração é gravemente afetado pela perda de peso e pela desnutrição, de forma que, quanto mais grave for o distúrbio, maior será a probabilidade de a pessoa ter complicações cardíacas. O transtorno alimentar envolve questões complexas, é afetado e afeta a saúde mental, mas tem impactos para todo o organismo”, explica a Dra. Marcella.

DRA MARCELLA GARCEZ
A Doutora Marcella Garcez explica que, ‘o transtorno alimentar envolve questões complexas, é afetado e afeta a saúde mental, mas tem impactos para todo o organismo”, (foto: divulgação)

            Os transtornos alimentares comuns incluem anorexia e bulimia, ambas envolvendo obsessão por peso e imagem corporal distorcida. “Pessoas com anorexia evitam ou restringem severamente os alimentos e podem fazer exercícios incansavelmente. Pessoas com bulimia geralmente purgam após a compulsão alimentar, vomitando ou usando laxantes ou diuréticos. Algumas pessoas com anorexia também comem compulsivamente”, diz a médica.

            Outros dois transtornos alimentares definidos mais recentemente são o transtorno da compulsão alimentar periódica e o transtorno da ingestão alimentar esquiva/restritiva, que afetam os comportamentos alimentares, mas não incluem obsessões com a imagem corporal. Além disso, outro problema dos transtornos alimentares é que, no contato com a comida, o desejo fala mais alto, muito mais do que a necessidade de nutrir o corpo. “Não é incomum que pacientes com transtornos alimentares tenham um padrão alimentar que não inclui alimentos saudáveis como frutas, verduras, e fontes de fibras”, diz a médica. “Portanto, não é incomum que faltem nutrientes”, completa.

            Os distúrbios alimentares podem causar alterações no coração que resultam em maiores riscos para a saúde cardiovascular ao longo da vida. É como se agissem como uma bomba-relógio, aumentando o risco cardíaco e, consequentemente, o de morte. “Isto se deve em grande parte à desnutrição em pessoas com anorexia e aos desequilíbrios eletrolíticos em pessoas com bulimia. Os problemas vão desde diminuição da frequência cardíaca até insuficiência cardíaca. O transtorno alimentar é bastante grave se essas coisas acontecerem”, reforça a médica.

            Diferentes distúrbios alimentares afetam o coração de maneira diferente. “Em pessoas com anorexia, a desnutrição e a perda de peso podem causar o encolhimento do músculo cardíaco e a diminuição da frequência cardíaca, uma condição conhecida como bradicardia, na qual a frequência cardíaca é inferior a 60 batimentos por minuto em repouso. A anorexia também pode causar outros ritmos cardíacos anormais”, explica a Dra. “Quando uma pessoa de qualquer tamanho corporal restringe a ingestão de alimentos, muitas vezes ela desenvolve uma frequência cardíaca lenta. Isso ocorre porque o corpo desacelerou o metabolismo.” A consequência para o coração é séria: “A depender do tamanho da restrição e do tempo, o coração atrofia. Ele fica mais lento como um urso hibernando. E isso pode se transformar em ritmos perigosos.”

            Em 2023, um artigo de revisão do Journal of Eating Disorders constatou que pessoas com anorexia têm o segundo maior risco de mortalidade de todas as condições psiquiátricas. Já um artigo do The British Journal of Psychiatry de 2020 trouxe dados do Canadá para mostrar que as pessoas hospitalizadas por distúrbios alimentares podem ter cinco a sete vezes mais probabilidade de morrer do que a população em geral.

            No caso da bulimia, o problema é que o vômito excessivo e o uso de laxantes podem levar a um desequilíbrio eletrolítico, o que aumenta o risco de ritmos cardíacos anormais. “Os danos causados ao coração pela bulimia também podem causar insuficiência cardíaca congestiva e morte cardíaca súbita”, explica a Dra. Marcella.

            Embora os transtornos alimentares possam afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, ele pode ocorrer mais em meninas adolescentes e mulheres na faixa dos 20 anos. Os pais e outros entes queridos preocupados devem ficar atentos a sinais de que alguém está obcecado com seu peso, fazendo exercícios obsessivamente, saindo rotineiramente da mesa durante uma refeição para usar o banheiro ou usando roupas largas para esconder o quão magro está, explica a médica nutróloga. “Os sinais e sintomas de que o distúrbio alimentar de alguém pode estar causando problemas cardíacos incluem tontura, dor no peito, falta de ar, sangramento nasal frequente e falta de energia”, completa.

Trazer alguém com um distúrbio alimentar de volta a um peso saudável pode resolver as mudanças estruturais no coração causadas pela desnutrição, mas isso deve ser feito com cautela e acompanhamento médico. “Pessoas gravemente desnutridas correm alto risco de síndrome de realimentação, que ocorre quando a nutrição é reintroduzida muito rapidamente. Pode ser fatal. Também é importante não culpar as pessoas pelo desenvolvimento de um transtorno alimentar. Estes não são distúrbios de escolha, e precisamos reconhecer isso. Há um componente genético. Se um dos pais o tiver, há uma grande chance de seus filhos também o desenvolverem”, finaliza a Dra. Marcella.

O acompanhamento médico e psicológico é uma providencia para os sintomas apontados pela especialista. Não deixe para depois.

FONTE: *DRA. MARCELLA GARCEZ é Médica Nutróloga, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Medicina da PUCPR, Diretora da Associação Brasileira de Nutrologia e Docente do Curso Nacional de Nutrologia da ABRAN. A médica é Membro da Câmara Técnica de Nutrologia do CRMPR, Coordenadora da Liga Acadêmica de Nutrologia do Paraná e Pesquisadora em Suplementos Alimentares no Serviço de Nutrologia do Hospital do Servidor Público de São Paulo. Além disso, é membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética e da Sociedade Brasileira para o Estudo do Envelhecimento. Instagram: @dra.marcellagarcez

Booking.com indica 9 destinos ao redor do mundo para férias mais sustentáveis em 2024

Por que o Alentejo é o destino certo para vivenciar experiências únicas

Exposição “Campineiros!” no Campinas Innovation Week

Moradores de Campinas contam com atendimento gratuito em estética

Artigos relacionados